terça-feira, 29 de maio de 2018

Heresiologia



Esse é o início de um ministério quase impossível, tirar as pessoas das armadilhas tão bem estruturadas pelos homens e pelos demônios. Que Deus nos ajude, cobrindo-nos com o SANGUE DE JESUS CRISTO.
Após pesquisar outras apostilas online, cheguei a conclusão de ministrar estas aulas através desta apostila. Pois se trata de um estudo atual e com uma linguagem simples, por abordar um assunto de tamanha complexidade, e sem medir esforços, sem temer a cúpula eclesiástica, hoje televisiva, constrói este texto para abrir a visão dos pesquisadores teológicos.
Um ministério próspero a todos.   

Pastor e professor Jair de Oliveira Filho



apostila

com os direitos autorais

atribuidos ao Departamento de

departamento de Educação Cristã

da IGREJA EVANGÉLICA

BATISTA DE VIRADOURO




Lição 1 - Doutrinas Teológicas irrefutáveis - Salmo 119.27-40

INTRODUÇÃO:
Uma verdade absoluta é uma verdade universal. Por exemplo: a água atinge o seu ponto de ebulição aos 100º C, em qualquer lugar do planeta. Mesmo que alguém não aceite este fato ele continua sendo verdade. Há fatos isolados que só são verdade dentro de determinado contexto. Por exemplo, o fato de alguém se acidentar por ultrapassar a velocidade de 80 Km/h, não nos dá o direito de afirmar que qualquer pessoa no mundo inteiro que ultrapassar esta mesma velocidade, se acidentará. Temos um exemplo bíblico em Atos 5.1-11, quando Ananias e Safira mentiram e morreram, incluindo a morte física. Se dissermos que todo mundo que mentir morrerá fisicamente, seremos contestados, pois, comprovadamente, muitas pessoas já mentiram e não morreram fisicamente.
Uma doutrina teológica irrefutável é aquela que não pode ser contestada, em qualquer parte do mundo onde se creia na revelação bíblica.
I – DOUTRINAS IRREFUTÁVEIS
Não é objetivo desta lição, provar a veracidade das doutrinas aqui expostas, e nem detalhar cada uma delas. Vamos exemplificar com aquelas que são aplicáveis as necessidades de todos. Quando Jesus comissionou a sua Igreja, ordenou que se pregasse a TODA CRIATURA (Mt 28.19), donde se conclui que o Evangelho é universal. Mesmo que as pessoas não creiam ou não o aceite ele continua sendo vital para todos. Eis algumas doutrinas que nenhum cristão verdadeiro pode refutar:
1. Deus o Pai – É o Criador absoluto do universo (Gn Gn 1 e 2; Sl 19.1; Hb 11.3). Se revela de forma incontestável na natureza (Sl 19.1-6; Rm 1.18-21). É eterno e único (Is. 45.21).
2. Deus Filho - Jesus Cristo é o Filho de Deus (Mt 3.17); a expressão exata do Pai (Hb 1.3). É igual ao Pai (Jo. 14.9). O único Mediador entre Deus e os homens (I Tm 2.5).
3. Deus Espírito SantoConvence o homem do pecado (Jo 16.8), Santifica e dirige a vida do crente. Pode ser ignorado e até extinguido (I Ts 5.19), mas nenhum cristão contesta a sua existência.
4. O pecado – é uma realidade no mundo. Não importa o nome que as pessoas lhe dão, será sempre o pecado. O homem já nasce em pecado (Sl 51.5). Toda a raça humana está contaminada por ele (Rm 5.12) e continuam pecando (Rm. 3.10-20). O pecado é um flagelo diário que pode ser negado, mas seus efeitos devastadores não podem ser evitados no mundo caído.
5. Justificação – Igualmente, a justificação é uma realidade e uma necessidade (Rm. 3.21-24). Por mais que o homem tente ser justo, seus atos o condenarão (Rm. 3.20). Deus é o único que pode justificar o homem. E sempre o fará, por meio de Jesus Cristo. (Rm. 5.1)
6. Regeneração – É uma verdade incontestável. Nenhum cristão verdadeiro pode negar esta verdade ensinada por Jesus Cristo (Jo. 3.1-5); e pelos apóstolos (Tg. 1.18; I Pd. 1.23).
7. Adoção – Somos, depois de salvos e regenerados, feitos filhos de Deus (Jo. 1.12,13). Este é o processo da adoção (Rm. 8.15).
8. A santificação – A santificação também é outra doutrina bíblica que não se pode negar, ainda que alguns, a aumente ou diminuem, ensinando doutrinas de homens. (I Ts. 5.23)
9. Satanás – Existe (Ap. 20.2), tem poder sobre a vida do homem ímpio (Mt. 9.32,33). Age no homem e na natureza (Mc. 5.1-13). Satanás tem seus agentes espirituais, outros espíritos que operam para fazer o mal (Ef. 6.11,12). Sua missão é roubar, matar e destruir (Jo. 10.10) e embora milhares de pessoas tentem negar a sua existência, ele continua sendo o agente principal de todos os flagelos do mundo caído.
10. Bíblia, Palavra de Deus – O livro mais lido, o mais criticado, o mais aceito. A Bíblia é a responsável pelas maiores mudanças benéficas pelas quais a humanidade já passou. É a única escritura divinamente inspirada (II Tm. 3.16). É o único escrito que tem poder transformador. (I Pd. 1.23-25)
11. Salvação – é eterna, se o salvo permanecer até o fim (Mt. 24.13; Hb. 5.9). É oferecida a todos os que creem em Jesus Cristo (Mc. 16.15,16) é gratuita e por meio da fé (Ef. 2.8,9). Jesus Cristo é o único que pode proporcionar esta eterna salvação. Podemos concluir este primeiro tópico afirmando que estas doutrinas são facilmente entendidas por todos os cristãos, quando ensinadas na sua simplicidade, sem acréscimos, sem complicações e sem abstenções. Qualquer cristão sincero não negará a veracidade delas.
II – OBJETIVOS PRIMORDIAIS PARA O CRISTÃO
Ao analisarmos as palavras do Senhor Jesus em Lucas 9.62: “Ninguém que, tendo posto a mão no arado, olha para trás, é apto para o reino de Deus”, podemos afirmar que existem alvos a serem alcançados pelos cristãos e desta forma, precisam imbuir-se de todas as suas forças no intuito de atingi-los. O problema é que aqueles que desviam seus interesses para outros objetivos, como veremos nas próximas lições, estão perdendo a sua aptidão para entrar no Reino de Deus. O apóstolo Paulo inspirado pelo Espírito Santo escreveu: “Prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus”. (Fp 3.14) Irmãos, existe uma “vocação soberana”, ou seja, um objetivo primordial, e é evidente que o inimigo fará de tudo para desviar o cristão deste alvo. Vejamos outros textos que reforçam este ensino:
- Mas deram-se a si mesmos primeiro ao Senhor (2Cor 8.5);
- Buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça. (Mt 6.33);
- Ninguém que milita se embaraça com negócios desta vida. (2Tm 2.4);
- Deixemos todo embaraço e o pecado que tão de perto nos rodeia e corramos, com paciência a carreira que nos está proposta, (Hb 12.2);
- E vós também, pondo nisto mesmo toda a diligência, acrescentai à vossa fé a virtude, e à virtude, a ciência, e à ciência, a temperança, e à temperança, a paciência, e à paciência, a piedade, e à piedade, o amor fraternal, e ao amor fraternal, a caridade. (2 Pd 1.5-7);
- Portanto, irmãos, procurai fazer cada vez mais firme a vossa vocação e eleição, porque, fazendo isto, nunca jamais tropeçareis. (2Pd 1.10).
Vimos que Deus deixou para o cristão ensinos teológicos irrefutáveis e primordiais, os quais devem ser absorvidos por todos. O desvio destes ensinos, é a causa básica do fracasso de muitos. Ao prosseguirmos com o estudo das próximas lições, perceberemos que a causa do acentuado aumento de heresias e desvios teológicos, está relacionada com o desprezo aos ensinos fundamentais e ao apego aos ensinos secundários, fazendo o cristão perder de vista o alvo.
CONCLUSÃO: Os cristãos devem estar atentos para que em tempo algum sejam apanhados de surpresa. Desviar-se do alvo é o mesmo que errar o caminho. Não nos deixemos enganar com doutrinas variadas, esquecendo-nos das verdades que nos levarão inevitavelmente ao reino celestial.

 Lição 2 - Tendências doutrinárias - II Pedro 2.1,2; II Timóteo 4.1-5

INTRODUÇÃO:
De acordo com a Enciclopédia Histórico – Teológica da Igreja Cristã, “seita” vem do latim, secta, termo derivado do particípio passado de secare (cortar, separar) ou de sequi (seguir), e tem o sentido de partido, escola, facção (...) W. Martin, fundador do Instituto Cristão de Pesquisas, define seita como: “Um grupo de indivíduos reunidos em torno de uma interpretação errônea da Bíblia, feita por uma ou mais pessoas”. Sempre foi uma tarefa muito difícil, combater as seitas que existem por aí. Mas esta dificuldade multiplica-se quando se trata de denunciar os desvios doutrinários que ora se observa no próprio meio evangélico. São muitas as causas desencadeadoras destas tendências doutrinas, daí a necessidade de um estudo mais apurado afim de que sejam detectadas e devidamente combatidas.
I – SUAS CAUSAS Antes de tudo é preciso saber que estes acontecimentos são proféticos. “...haverá entre vós falsos mestres, os quais introduzirão dissimuladamente heresias destruidoras.” (II Pd. 2.1) Enumeraremos as causas principais destes desvios doutrinários:
1. Ação diabólica“... Nos últimos tempos alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios”. (II Tm 4.1a) A ação do diabo é sempre no sentido de enganar, de cegar (II Cor. 4.4); de roubar o ensino verdadeiro do coração do ouvinte (Mt 13.19); de semear aquilo que é contrário a obra de Deus (Mt 13.24,25).
2. Descuido da Igreja“Além das cousas exteriores, há o que pesa sobre mim diariamente, a preocupação com todas as igrejas.” (II Cor. 11.28) Enquanto “as virgens dormem” (Mt 13.25; 25.5), o inimigo aproveita para semear o joio, ou seja, algo muito parecido com a verdade, mas é mentira. Doutrinas que parecem ser bíblicas, mas são, na verdade, doutrinas de demônios. Este descuido inicia com o ministério que parece não ter noção do verdadeiro valor do rebanho de Deus (I Pd 1.18,19), e também, parece ter perdido a consciência da responsabilidade que lhe pesa sobre os ombros (At. 20.28,31). Segue ainda, o descaso com a Palavra de Deus e com a oração (At. 6.4; Ef. 6.17,18); com o treinamento de novos obreiros (II Tm. 2.1,2); com os “milagres” (Mt. 24.24) e com a doutrina. (I Tm. 4.16)
3. Desprezo da Hermenêutica - Quase todas as heresias e desvios doutrinários pretendem se fundamentar em textos obscuros e de difícil interpretação. (II Pd 3.16) Como pudemos ver na primeira lição, existem as doutrinas fundamentais, que Deus deixou para nós, e são de fácil entendimento até mesmo por irmãos mais leigos (Mt. 11.25). No entanto, aqueles que querem ser “profundos” no conhecimento, e pretendem desvendar os mistérios ocultos na Bíblia (Dt. 29.29) que nem os grandes eruditos conseguiram desvendar, acabam por inventar doutrinas tendenciosas. A hermenêutica é a arte de interpretação. Ela nos ensina a interpretar a Bíblia dentro do seu contexto e depois aplicar à nossa realidade. Alguns partem da sua própria experiência e depois procuram na Bíblia textos que o confirmem. O apóstolo Pedro nos adverte quanto a isso, dizendo que nenhuma profecia da Escritura provém de particular elucidação (II Pd. 1.20,21).
4. Falta de maturidade espiritual – “Para que não mais sejamos como meninos” (Ef. 4.14a). As características principais de uma criança são: Apego às cousas que lhe causam admiração, curiosidade, irresponsabilidade e dependência. Estes cristãos infantis se deixam levar por todo movimento que surge de repente e que não passa de invenção de homens astuciosos que induzem ao erro. (Ef. 4.14). A recomendação bíblica é para que segundo a verdade cresçamos em tudo naquele que é o cabeça, Cristo. (Ef. 4.15)
5. Apostasia – “Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos últimos tempos alguns apostatarão da fé”. (I Tm 3.1a). A palavra apostasia significa deserção da fé; mudança de crença, partido ou opinião. Nunca si viu tanta apostasia como nos nossos dias. O inimigo tem usado todas as formas para enlaçar, tanto pagãos, como cristãos. Exemplos: Seitas heréticas, organizações duvidosas, como é o caso da Maçonaria, movimentos diabólicos, como o Ecumenismo e a Nova Era. Nesta investida passou a atuar em nosso meio levando muitos a apostatar da fé. (II Ts 2.3; Jd. 18).
6. Aversão à verdade“Haverá tempo em que não suportarão a sã doutrina... e se recusarão a dar ouvidos à verdade, entregandose às fábulas.” (II Tm 4.3,4). Este texto bíblico tem se cumprido literalmente em nossos dias. Muitos não suportam uma pregação ou estudo bíblico autênticos. Se irritam quando ouvem um doutrinador coerente com as escrituras, dizem que seus ensinos são costumes e tradições de homens e chamam-no de radical, recusando-se assim a “dar ouvidos à verdade.” Mas o apóstolo diz ainda que tais pessoas depois de recusar a Palavra Santa de Deus, agravarão o seu estado pecaminoso, “entregando-se às fábulas”. A palavra fábula significa: Ficção, mentira, invenção, fingimento, etc. As tendências doutrinárias, são fábulas, produto da mente carnal de homens arrogantes que mantém a forma de piedade (II Tm 3.1-5), a fim de dominar os seus seguidores.
7. Homens gananciosos – “... apegado à Palavra fiel que é segundo a doutrina, de modo que tenha poder, assim para exortar pelo reto ensino como para conhecer os que contradizem... É preciso fazê-los calar, porque andam pervertendo casas inteiras, ensinando o que não devem, por torpe ganância.” (Tt. 1.9,10). A ganância, o amor ao dinheiro, o desejo pela fama e pela glória terrena, tem levado muitos a criarem seu próprio ministério. Exemplos de ministérios independentes: Evangelho da Saúde, Teologia da Fé, Avivamento da Verdade, Palavra da Fé, etc. A partir daí fica mais fácil o surgimento de doutrinas heréticas porque estes fundadores de ministérios não sofrem qualquer tipo de questionamento. Eles são tidos pelos seus seguidores como “Super Crentes”, que tiveram visões especiais de Deus e, supostamente, conseguem grandes revelações bíblicas que nem mesmo os grandes eruditos conseguiram ter. (II Cor. 11.13-15) O objetivo destes “mestres” é arrastar após si o maior número de discípulos, sempre visando lucro financeiro. (At. 20.29,30; 33-35).
II – SUAS CONSEQUÊNCIAS
O Pr. Paulo Romeiro, diretor do Instituto Cristão de Pesquisas (ICP), em São Paulo, fala dessas doutrinas como “doutrinas tóxicas”, e diz que elas precisam ser detectadas, pois a Palavra de Deus não pode ter a menor mistura. O apóstolo Pedro exorta os crentes a recordarem das palavras dos profetas (Antigo Testamento) e dos apóstolos (Novo Testamento) (II Pd 3.2), pois a maioria dos cristãos precisam mais de ser lembrados do que informados. Eis as principais consequências destas tendências doutrinárias:
1. Desvio do alvo – O cristianismo difere das religiões e movimentos que enchem o mundo. Quando alcança o homem, imediatamente lhe propõe uma carreira (Hb 12.1b), e a partir daí, este homem deverá empenhar-se com todas as suas forças, em alcançar o alvo que o espera no fim da carreira. (Fp. 3.8-14) O papel principal de Satanás é fazer o crente desviar-se do alvo. Para isso ele tem dado entretenimentos para os crentes imaturos. “crianças” em Cristo (Hb. 5.12-14). Todos estes movimentos e falsos avivamentos, são na verdade entretenimentos, para onde os crentes imaturos correm aos montões para se divertirem passando o tempo e para se deslumbrar com os “sinais” e “maravilhas”. Esta atitude é totalmente contrária aos ensinos bíblicos de Gênesis a Apocalipse.
2. Divisões – Cada dia que passa, surge mais um ministério independente. Disfarçadamente é mais uma divisão. Normalmente estes movimentos vão surgindo e arrastando crentes de denominações já bem estruturadas. (At. 20.30) Isto porque estes enganadores (Tt. 1.10,11;16), nunca se preocupam em evangelizar os incrédulos e fazer novos discípulos. Eles agem sempre apoiados na pretensiosa justificativa de que a Igreja está toda errada e Deus os levantou para restaurá-la.


3. EscândalosO “espírito do erro” (I Jo. 4.6) que opera leva estes inovadores a inventarem toda espécie de esquisitices, tais como: Rodopios, danças indígenas, gritos e sons imitando animais, gargalhadas assustadoras, gestos frenéticos, que fazem os crentes sinceros e os que não conhecem o evangelho escandalizarem.
4. Morte espiritual – Satanás veio para roubar, matar e destruir (Jo 10.10) Primeiro ele rouba do coração do crente desprecavido a verdade semeada (Mc. 4.15), depois, por meio destes movimentos heréticos, sufoca o crente com “ervas daninhas” (Mc. 4.19) por fim, para destrui-lo, envenena-o com “doutrinas tóxicas” (II Pd 2.1-3), visto que estes desvios doutrinários muitas vezes não permitem ao crente enganado retornar à verdade. Pois cria-se resistência à verdade salvadora. (II Tm 2.25,26).
III – SUA FORMA DE COMBATE
É imprescindível que o cristão queira receber de Deus a verdade, do contrário ele nunca a alcançará (II Tm 3.7). Somente a um coração sincero Deus revelará a sua Palavra. Se quisermos ver a Igreja livre destas doutrinas tendenciosas, teremos que combater da seguinte forma:
1. Pela obediência incondicional e irrestrita a Palavra de Deus;
2. Examinando-a com um coração sincero (Mt. 22.29; Cl 3.16);
3. Ouvindo-a com atenção e reverência (Ap. 1.3);
4. Esforçando-se para entendê-la (Mt. 13.13,16; 19; 51);
5. Praticando-a (Mt. 7.24-27; 13.23; Tg 1.22-24);
6. Submetendo-se ao Espírito Santo, o único interprete infalível da Palavra de Deus (I Cor. 2.10):
a) Ele opera pela Palavra (Jo 16.13);
b) Ele maneja a Palavra (Ef. 6.17);
c) Ele inspira a Palavra (I Pd. 1.21);
d) Ele interpreta a Palavra (I Pd. 1.20).
CONCLUSÃO: Vimos nesta lição que é perigoso para aqueles que se entregam a todo vento de doutrinas e movimentos. O conselho bíblico nesta hora é para que não nos removamos facilmente da nossa posição em Cristo. É o momento de resgatarmos o prazer pela leitura bíblica e pela oração sincera, a fim de aguardarmos de pé a vinda de Jesus Cristo. As lições seguintes mostrarão as doutrinas heréticas principais que têm conturbado a Igreja de Deus e arrastado para o abismo os que a elas se entregam.
Lição 3 – Doutrinas do Modismo Pentecostal - I Timóteo 6.3-12
INTRODUÇÃO: O pentecostalismo era até a alguns anos atrás considerado a minoria evangélica e hoje já alcança a cifra espantosa de 65% dos evangélicos no Brasil, de acordo com o Instituto Cristão de Pesquisa (ICP). Há um pentecostalismo genuíno, graças a Deus. Mas há também um doentio, não se pode negar. O objetivo desta lição é analisar estes ensinos estranhos e dar o devido combate, aplicando o antídoto certo que é a Palavra de Deus.
I – PENTECOSTALISMO DOENTIO
O Mensageiro da Paz de setembro/97, publicou o seguinte artigo: “Todas essas técnicas importadas da outra América são erroneamente interpretadas como sendo sinônimo de avivamento, poder e autoridade de Deus, deixando uma herança negativa e satânica para os jovens brasileiros, que representam a continuidade da direção da Igreja, no Brasil... Essa prática satânica representa a irreverência praticada contra Deus e sua santa Palavra, coisas estranhas que não tem fundamento bíblico”. Estes movimentos estranhos, nos legaram danças frenéticas, aplausos fora de propósito, gritos e movimentos estranhos com o corpo durante os cultos. São modelos copiados dos estádios de futebol, dos salões de dança e dos auditórios de apresentações artísticas. Parece que o único objetivo destes movimentos é a satisfação carnal, prova disto é que os que se entregam a este tipo de prazer são os que menos frequentam escolas bíblicas, cultos de ensino e de oração. Este “modismo pentecostal” trouxe para as nossas reuniões:
1. InovaçõesUma boa parte da igreja evangélica no Brasil é marcada por uma avidez de novidades e aversão pela verdade (II Tm 4.3,4). São como crianças que se encantam com qualquer novidade e nunca se importam em analisar nada. A vida cristã consiste em uma simples brincadeira. (Ef 4.14,15)
2. ArtificialismoNunca se viu tantas pessoas que se dizem cristãs mas vivem de modo pior que os incrédulos. Isto se deve a esta forma artificial de ser cristão. O pentecostalismo doentio trouxe em seu bojo, promessas de “bênçãos”, “bem estar” e “vitórias” desvinculadas da responsabilidade perante a Palavra de Deus. Tais “cristãos” lotam os templos, mas há pouca conversão genuína e quase nenhuma santificação.
3. Culto à PersonalidadeTambém a exaltação do ser humano é evidente (Rm 1.25). Pregadores, cantores, jogadores, etc., são venerados pelos cristãos. Nos shows “evangélicos”, os jovens pulam, assobiam, gritam freneticamente, tudo em nome de um cristianismo ofuscado pelo desrespeito a Deus. (2 Tm 3.4)
5. Batalha espiritualInvocação de entidades do candomblé, crentes possessos (?), espíritos territoriais, são alguns dos terríveis erros cometidos pelos pregadores destes movimentos. São ensinos antibíblicos. (I Cor 6.19; I Jo 4.4; 5.18)
6. Cura interior – Saindo do espírito, infiltraram-se no mundo da mente. Deixando o poder transformador da Palavra de Deus, passaram a aplicar indução psicológica, lavagem cerebral, psicanálise, meditação, etc. (2 Tm 3.8).
II – TEOLOGIA DA PROSPERIDADE
1. Pobreza é pecado – Eles dizem: “Não só a preocupação é pecado, mas também ser pobre é pecado, porque a promessa de Deus é a prosperidade. A prosperidade financeira é uma das marcas da fidelidade de um cristão a Deus”. “Deus quer que seus filhos usem a melhor roupa. Ele quer que eles dirijam os melhores carros e quer que eles tenham o melhor de tudo...” (Kenneth Hagin, New Thresholds of. Faith, 1985, p. 55). “João 19 nos diz que Jesus usava roupas de griffe...” (John Avanzini). A Palavra de Deus nos ensina o seguinte: - Nunca deixará de haver pobres na terra (Dt 15.11); - Os pobres sempre os tendes convosco (Mc 14.7); - Outros textos (I Cor. 11.22; Gl 2.10); - Jesus e seus pais eram pobres: Seu berço era uma manjedoura (Lc. 2.7); Seus pais deram a oferta do pobre (Lv 12.8; Lc 2.24); Não tinha nem onde reclinar a cabeça (Lc 9.58); Quando precisou de uma moeda, teve de toma-la emprestada (Mc 12.14-16). Nunca andou de carruagem, o cadilak da época, andava de pé ou de jumento emprestado (Mc. 11.1-6). - Advertência de Deus para os ricos e para os que desejam riquezas: (Lc 6.24; Mt 6.19-21; Mc 10.25; I Tm 6.7-11; 17-19).
2. Doença é pecado – Segundo os pregadores deste movimento a maneira de um cristão morrer depende de sua fé e estabelece que o mínimo de vida de um cristão são setenta anos: “O mínimo que você deveria viver são setenta anos. Você deveria ir até aos cento e vinte anos. É o que a Bíblia declara”. Quanto à doença o cristão só vive doente se quiser: “O propósito de Deus para cada crente é que viva completamente livre de enfermidades ou dores. Fica a seu critério se quer viver assim ou não. Assim é que quando o crente se mantém sofrendo com dores físicas, não tem ninguém a culpar, senão a si mesmo”. A Bíblia ensina que muitos personagens bíblicos tiveram fé, embora fossem pessoas doentes. É o caso de Eliseu, Lázaro, Dorcas, Paulo, Timóteo, Epafrodito (2 Rs 13.14; João 11.2; At 9.36,37; Gl 4.13-15; 1Tm 5.23; Fp 2.25-30). Nem sempre a doença é consequência de pecado. (Jo 9.1-3). Podemos ser provados por meio das enfermidades. (Jó 2.7; Tg 5.11)
3. EngodoNa verdade quem está ficando rico são os pregadores deste movimento. Eles dizem: “Se você quer um carro novo, por que você não dá o seu e fica esperando o novo carro chegar?” Usando o texto de Mc 10.30, dizem: “Se Deus fosse contra riquezas, Jesus não prometeria abençoar 100 vezes tanto...” E ainda declaram mais: “Dá US$ 10,00 e receberás US$ 1.000,00; dá US$ 1.000,00 e receberás US$ 100.000,00”.
PRIMEIRO - A ênfase de Mc 10.30 é que o cristão deve crucificar seu egoísmo quando no serviço de Deus;
SEGUNDO - O texto de Mc 10.30 registra não só cem vezes em casa, campos, etc., mas também “com perseguições”. Só que os pregadores da Teologia da Prosperidade omitem essa particularidade porque perseguições não interessa aos seus seguidores.
TERCEIRO - Se o retorno funciona por que os pregadores da (TP) não enviam a cada membro da sua igreja, R$ 100,00 a fim de obter milhões de reais de retorno?
4. Indulgência evangélicaA pior violação na prática de levantamento de fundos acontece quando o ministério sugere às pessoas que elas somente terão suas orações respondidas se forem obedientes. Naturalmente que o ministério define “obedecer” como contribuir financeiramente. Esta prática tem criado um tipo de “indulgência evangélica", através da qual uma pessoa bem-intencionada, mas sem a devida instrução bíblica, tenta comprar o favor de Deus. A Bíblia ensina que a contribuição é um ato voluntário, expressado pelo coração (II Cor 9.7).
III – TOLOGIA DA CONFISSÃO POSITIVA
Kenyon, o verdadeiro pai da confissão positiva nasceu no Condado de Saratoga, Nova York, Estados Unidos, em 1867. Foi influenciado por Cherles Emerson, membro da Ciência Cristã. Faleceu em 1948. Kenneth Hagin, nascido em Mckinney, no Estado do Texas, Estados Unidos, no dia 20 de agosto de 1917. Teve uma infância difícil. Após sua conversão, tornou-se o maior divulgador deste movimento. “A expressão ‘confissão positiva’ se refere literalmente a trazer à existência o que declaramos com nossa boca, uma vez que a fé é um confissão”. “A confissão positiva tem suas origens numa antiga heresia conhecida como gnosticismo. Esta palavra vem do vocábulo grego gnosis, que significa “conhecimento”. “Para eles, o pecado habitava somente na carne, tornando-a totalmente má. O corpo podia fazer tudo que lhe agradasse, vivendo nos prazeres da carne. O espírito continuava puro”. (Paulo Romeiro, Super Crentes, pg. 6) Eis alguns de seus ensinos:
1. Em busca do poder terreno – “Povo de Deus declare isso!” Frases como: “O Brasil é do Senhor Jesus” Povo de Deus declare isso!”, mostra bem aonde os seguidores da doutrina, pretende chegar. É a teologia do domínio. Os cristãos devem ocupar os melhores cargos, possuir as melhores casas, dirigir os melhores carros. Eles esqueceram que a nossa luta não é carnal (Ef 6.12) e que a nossa pátria está nos céus (Fp 3.20).
2. “Eu exijo”; “Eu determino”; “Eu decreto”; “Eu declaro”. Os líderes deste movimento afirmam que o crente não deve pedir. “Devem exigir de Deus os seus direitos” - R.R.Soares, em seu livro, O Direito de Desfrutar Saúde, declara: “Usar a frase ‘se for a tua vontade’ em oração pode parecer espiritual, e demonstrar atitude piedosa de quem é submisso à vontade do Senhor, mas além de não adiantar nada, destrói a própria oração”. Ele aconselha: “Nunca ore dizendo: Faça-se a tua vontade”. Este ensino contradiz os seguintes textos: Jo 4.34; 5.30; 6.38; 7.17; Mt 6.10, etc.) Paul Yonggi Cho, no seu livro, Quarta Dimensão, diz: “Depois que aprendi a especificar os meus pedidos, eu não tive medo de Deus errar na entrega”. A Bíblia diz o seguinte: - É Deus quem ensina ao homem o conhecimento. Portanto, não necessita de ser ensinado (Sl. 94.10); - O Senhor é onisciente. Entende os nossos pensamentos, conhece os nossos caminhos, conhece as nossas palavras antes de serem pronunciadas (Sl 139.1-5); - Deus sabe do que necessitamos antes que o peçamos (Mt 6.8). Kenneth Hagin chega a afirmar que nunca encontrou na Bíblia um não de Deus. Veja Dt 3.23-29; 2Cor 12.7. Veja também o conselho de Tiago 4.13-16.
3. Confissão negativa produz enfermidades. Exemplos de pessoas que falaram negativamente e mesmo assim tiveram respostas positivas (Gn 42.36; I Sm 27.1; Dn 3.17,18; Mc 9.23,24).
IV – OUTRAS ESQUISITICES
No meio de tanta confusão doutrinária e ensinos heréticos, presenciamos muitos “milagres” estranhos que merecem maior atenção:
1. “Cair no poder” – Pessoas se levantam de seus lugares, rodopiam com os braços erguidos horizontalmente movimentando-os numa semelhança dos anjos voando. Depois caem desacordados. Alguém corre e cobre com lençol aquela irmã que está em desalinho. Pregadores que se dizem dotados dessa nova “unção”, sopram profundamente em microfones, para condicionar as pessoas a caírem “no poder.” Quando tal queda não se manifesta, esses pregadores jogam seus paletós sobre os ouvintes e quando ainda assim não funciona a queda coletiva, existe o empurrão na testa, recurso final para que proporcione a queda. A Bíblia ensina que certos homens de Deus passaram pôr experiências notáveis de cair realmente sob o poder de Deus. É o caso de Ezequiel (Ez 1.28; 3.23; 43.3); Daniel (Dn 8.18; 10.9); Pedro (At 10.10-16); Paulo (2 Cor 12.1-4); João (Ap 1.10). Quase sempre caiam para frente, de joelhos, em adoração. Não eram induzidos a cair, não havia ninguém por perto para segura-los e havia relato daquilo que observavam durante a experiência. Hoje, ninguém sabe dizer o que houve realmente nesse intervalo que se mantiveram desacordados ou arrebatados.
2. Dentes de ouroA primeira ocorrência desta natureza foi numa sessão de umbanda, com uma mãe de santo. O “culto do garimpo” é chamado assim pôr se ver pessoas com pequenos espelhos dentários examinando as bocas dos que dizerem ter recebido essa bênção atribuída como milagre de Deus. - Deus é o criador de todas as coisas Nunca remendou nada (Gn 1 e 2); - Jesus Cristo deu ao homem da mão ressequida uma mão igual à outra e não uma de metal, porque isto diminuiria o seu poder criador. (Mt 12.10,13); - O único milagre em que aparece metal na boca, é o da moeda com a qual Jesus pagou seu imposto e o de Pedro. A boca era de um peixe e a moeda era de prata. (Mt 17.24-27).
3. Unção do riso ou gargalhada santa – Essa é uma inovação canadence, iniciada em 1993, com Rodney, alinhado com Hagin. É conhecida também como unção do riso ou unção de Isaque. Não tem nenhum apoio bíblico, é apenas um fato isolado.
4. Emagrecimento instantâneo – Este modismo só vem confirmar o quanto as pessoas têm se desviado dos objetivos do Espírito para servir o exterior, a carne.
5. “Tá amarrado”A autoridade dada pôr Jesus aos crentes é no sentido de expulsar os demônios e não de amarra-los (Mt 17.21; At 16.16-18). Todo milagre precisa: Glorificar a Deus; estar de acordo com a Bíblia a doutrina ligada ao milagre; levar alguém a ter um encontro real com Jesus; passar pela prova de Mateus 7.22,23.
CONCLUSÃO: Nas palavras do Pr. Natanael Rinaldi, pesquisador do Instituto Cristão de Pesquisa (ICP), estas mudanças doutrinárias causam insegurança entre os crentes. Como é que os crentes vão saber se as coisas novas que estão sendo hoje ensinadas serão verdade amanhã? Não parecem antes ser modismo que surgem e posteriormente desaparecem? Em Hebreus 13.9, se recomenda a não nos envolvermos com doutrinas estranhas, resultantes de ensinos de homens que torcem as Escrituras (2 Pd 3.16).

Lição 4 – Doutrinas de Maldição de Família - Gálatas 3.8-14
INTRODUÇÃO: O assunto em pauta movimenta multidões que têm sido induzidas a crer na maldição de família, que é apenas uma das muitas teologias que são divulgadas hoje nos diversos seguimentos da Igreja evangélica. Pretendemos mostrar à luz das escrituras sagradas o erro em que estão incorrendo os seguidores de tal ensino e alertar para a necessidade do estudo criterioso da Bíblia, o que evitará que muitos abandonem a fé verdadeira e se enveredem por caminhos confusos.
I - TEORIA – A NOVA TEOLOGIA DA MALDIÇÃO DE FAMÍLIA
1. As heranças espirituais são transmitidas. Este ensino diz que muitos problemas que o cristão enfrenta, sem obter soluções adequadas, são devidos a uma maldição que acompanha a família por causa de práticas abomináveis a Deus, como idolatria, feitiçaria, pacto satânico, etc. realizadas por algum antepassado. Portanto, é necessário descobrir dentro da árvore genealógica o antepassado que tinha determinado o problema. Existe um espírito (demônio) que acompanha a família geração após geração trazendo desgraças como doenças, adultério, crimes, prostituição, pobreza, morte, etc.
2. Refutação com base bíblica. O que a Bíblia ensina sobre a maldição de família: Os textos sagrados que se referem à maldição Êx 20.5; Lv 26.39; Nm 14.18; Dt 30.19, dizem respeito àqueles que não desfrutam de comunhão com Deus. As referências bíblicas usadas para compor tal teoria nada tem a ver com levar o pecado de seus antepassados e sim com o efeito do pecado sobre aqueles que aborrecem a Deus. O Senhor não aborrece o filho do idólatra apenas por ser seu filho e sim pôr praticar o pecado do pai. Como a salvação não é hereditária, a maldição também não o é. “Se o não ouvirdes e se não propuserdes no vosso coração dar honra ao meu nome, diz o SENHOR dos Exércitos, enviarei sobre vós a maldição e amaldiçoarei as vossas bênçãos; já as tenho amaldiçoado, porque vós não propondes isso no coração”. MI 2.2 e Pv 3.33.
II – TEORIA – O SIGNIFICADO DE BÊNÇÃO
1. Nossas palavras têm poder de criar situações favoráveis. Segundo os pregadores dessa teologia, se declararmos a benção de um bom emprego, uma boa casa, uma saúde de ferro, um bom carro, a conta bancária bem abastecida, veremos isso acontecer.
2. Refutação com base bíblica - Benção é estar em comunhão com Deus. Abençoar alguém é restaurar esta pessoa da posição de exilado, para a de filho de Deus. Pregar a palavra ao perdido levando-o a experimentar o perdão de Deus. Abençoar é socorrer os irmãos nas suas dificuldades. João diz: “Filhinhos, não amemos de palavras, nem de língua, mas de fato e de verdade.” I Jo 3.18. Tiago também discorda do ensino de que apenas dizer coisas positivas faça que as pessoas sejam abençoadas: “Se um irmão ou irmã estiverem carecidos de roupa, e necessitados do alimento cotidiano, e qualquer dentre vós lhes disser Ide em paz, aquecei-vos, e fartai-vos, sem, contudo, lhes dardes o necessário para o corpo, qual é o proveito disso?” Tg 2:15,16.
III - TEORIA - O SIGNIFICADO DE MALDIÇÃO
1. Maldições hereditárias. Palavras negativas que pronunciamos contra alguém. “Espíritos” que acompanham nossa famílias e objetos de nossos antepassados que temos em casa trazendo todo tipo de desgraça. Ex.: Jorge Linhares ensina que: “Maldição é a autorização dada ao diabo por alguém que exerce autoridade sobre outrem, para causar dano à vida do amaldiçoado... A maldição é a prova mais contundente do poder que tem as palavras.” Robson Rodovalho, diz: que maldição