domingo, 19 de outubro de 2014

A história de Iza


Uma escrava na comunidade

Nasce numa tarde de um dia quente ao som do funk, uma bela criança negra por nome Iza,  que faria a diferença daquela alegre família e referência  na comunidade em que vivia. Ali no alto do morro, em um casebre cresce a bela menina, com destino a mais um produto do meio, não apenas pela cor uma marca superada pela sociedade presa, agora por símbolos mais abrangentes, que também inclui o branco. Mas como por um milagre desperta nela as maiores virtudes e um comportamento de família real.
 Na escola em que estudara era o destaque entre todos os alunos, e não parava ai. Também era classificada como a melhor do ensino público carioca. Agraciada pela beleza e inteligência conquistou uma vaga na escola de música em seu município. Assim, concluiu o Ensino Fundamental.
A musicalidade
Seus pais eram veteranos do funk, sem alcançar o sucesso viviam criando letras de músicas e desta forma conseguiam viver, vendendo algumas letras musicais. Seus tios e seus vizinhos eram contagiados pelo embalo funkeiro, todos viviam naquela “alegria” de periferia, aprisionados pela filosofia ”popular”e tinham como linha do horizonte da vida a ponta do nariz. O dono do lugar era o Vereador e DJ Leo (Leoncio), homem de grande poder e respeitado no “pedaço”. Mas comprometido com os distribuidores de estimulantes para os bailes funks, orgulhoso e respeitado por ser dono da “alegria” dos jovens e “comandante” da comunidade,  acabara de se casar com a filha do rei dos sonhos e delírios. Mara, uma linda e doce jovem,  apesar de ser filha de um ditador do crime.  Mas em uma noite de festa de formatura do Ensino Fundamental, Leo despertou e viu a esplendida formosura de Iza, a andar pelo pátio do Clube dos Funkeiros, e, contrariando sua origem Canta uma música de Elis Regina, acompanhada pela banda local, de uma forma sem igual, nunca vista na comunidade, deixando a banda sem o brilho do estrelismo, um fato inesquecível, pois esta era a melhor entre todas as comunidades da região central do Rio de Janeiro.
Amor e domínio
Maravilhado com a menina que agora é uma linda moça e possuidora de uma linda performance musical, Leo se vira para os pais de Iza, os funkeiros Jaime e sua esposa Janete, e faz a declaração:
-  Maravilhosa!
Seu Jaime diz:  - Dá pra sair um funk desse cenário...
“Maravilhosa, a rainha do funk (bis)
Princesa da periferia,
Olhar de diamante.”

Leo diz: Agora não, Jaime!
Continua Leo:  Vocês ainda moram naquele barraco? Deixando transparecer o desejo do seu coração.
Jaime: Sim chefe.
Leo:  Vocês não querem morar em uma casa melhor? Jaime sem entender, olha inocentemente, e sem  responder olha para Janete, que balança a cabeça positivamente.
Leo: Amanhã... Dia bom... passa no meu escritório para um café.
Jaime: Sim Senhor. Sabia que aquilo não era um pedido, pois tinha muita dívida com o poderoso Leo.

2º ATO

Terceiro ano do Ensino Médio, mais uma fase bem concluída, admiração de toda escola, Iza era popular por ser a estrela dos festivais de musica que a escola fazia. Seus pais compraram uma casa bonita dentro da comunidade, segundo eles, foi um prêmio por uma letra de música com muito sucesso, mas não saia da sua casa o poderoso Leo; sempre a acompanhado Iza com os olhares estranho... Naquele ano de formatura percebeu que tinha uma inimiga, não declarada até então, pois eram amigas de berço nasceram no mesmo dia, naquela mesma maternidade da periferia do Rio de Janeiro... Foi assim possível ver e sentir a hostilidade em decorrência da grande disputa entre bandas de músicas. Porém Ana, sua inimiga, era de estilo musical diferente, parecia mais com os pais de Iza, MC Jaime e MC Janete.
Ana queria ser a escolhida de Leo e sabia de todo acordo existente entre Leo e os pais de Iza. Iza era a escrava Izaura e não sabia!

Ana fala com Iza cheia de ódio e inveja:
-  Iza, terá um baile no Clube da comunidade e a rapaziada vai está lá com suas bandas, todas as comunidades participarão e a melhor ganha como prêmio um carro popular zerinho.
Iza pensa... Já sabendo da situação de sua vida de escrava, que seu pai lhe colocara, decide:
- Não é meu estilo o funk, mas vou está lá.
O destino estava se traçando, pois Ana assim fez porque foi recrutada por Leo, que como pagamento a iludia com promessas e carinhos. Iza teria que encontrar uma banda para participar, o quê não seria difícil.

O baile, o prêmio e a morte dos pais de Iza

Tudo maravilhoso, o povo dançava, as moças iam até o chão, sensuais rebolavam prendendo a atenção do público e jurados. Outras facções do crime também estavam ali, era um acordo de paz; entretanto a Polícia Militar estava bem longe dali contando seus ganhos no acordo com Leo. Entra a Ana, maravilhosa, a rainha do funk, com o olhar de diamante. Aplausos e gritos:
- Anita! Já ganhou, já ganhou, já ganhou!
Até que entra Iza, a cantora de música popular brasileira e outros ricos repertórios musicais, uma cantora completa. Ninguém acredita no seu sucesso, não ali, naquele lugar exclusivo para o gosto pelo funk. Iza canta, uma obra de arte, um funk com novo estilo.  E o povo clama:
- Iza, não para não! Continua esta canção!
O Jurado decide e Iza é premiada, mas no mesmo instante começa uma briga entre as facções e as balas perdidas atingem os pais de Iza, pois para protegê-la colocaram seus corpos como escudo.  Com o falecimento de seus pais Iza fica obrigada a morar na casa de Leo.

Leo vai até Iza e abraçando-a diz:
- Não chore, agora eu vou cuidar de você.
Ao ouvir tal frase Iza chora copiosamente.

Ciúmes e fuga

A mulher de Leo, Mara, já vinha sofrendo com a paixão de seu marido há muito tempo, mas nada poderia libertá-la daquela paixão por seu marido. Entretanto, tinha um irmão ovelha negra da família, que se formara em direito e agora era um advogado de respeito e isso deixava estremecido o relacionamento entre seu irmão Marcus e seu marido Leo.
Iza, agora hospedada na casa de Leo, desce as escadas e se depara com Marcus, que se apaixonou por ela no baile de formatura do Ensino Médio.
Marcos se aproxima. Quase encosta  o seu corpo ao de Iza. De costa para ele, evita olhá-lo em forma de mostrar que não o quer. O único defeito de Marcus é gostar muito de mulher, sem respeitar suas escolhas.
Marcus: Iza, eu quero muito que você seja a minha mulher.
Iza: Eu não te amo e não posso namorar uma pessoa que o Sr. Leo não aprove.
Marcus: Eu falo com ele.
Iza: Não, Não!
Marcus aproveita que estão a sós e tenta beijá-la.
Leo entra neste momento e grita: Larga a Iza, o que pensa que está fazendo? Ela é minha e só eu decido o que fazer da vida dela.
Marcus cita a lei e os dois começam a brigar, diante do escândalo entra Mara e o Sr. José, homem de confiança de Leo. Separam a briga e o que era segredo vem a público, pois Marcus declara toda a situação amorosa, não correspondida, de Leo para com Iza e das intenções de Marcus para com a Iza, também não correspondida.
Mara interrompe:
- Eu vou para casa de meu pai em Petrópolis e quando voltar não quer mais Iza aqui, nesta casa.

3º Ato

A fuga

A casa estava vazia, Sr. José teve que levar Mara a Petrópolis e Leo foi chamado as pressa para resolver um problema de entrega interrompida pela polícia, assim como sua presunção de ter o domínio total sobre Iza o levou a ficar naquele lugar por mais tempo sem se preocupar.
Iza pega poucas roupas, para não chamar atenção, bem como o dinheiro que ganhara no festival de músicas promovido pelo Clube da comunidade, dia em que faleceram seus pais. Pega um taxi para o aeroporto do Galeão, na Ilha do Governador, e voa para São Paulo, pois tinha amigos artistas naquele lugar, em especial sua amiga Ester que a hospedou maravilhosamente.
Iza desabafa:
- Ester, por favor, não posso mais voltar pro Rio, fui feita escrava de um homem. Este comprara meus pais e agora estão mortos.
- Ester a abraça e fala carinhosamente:
- Não se preocupe amiga. São Paulo é uma ótima cidade para sua carreira musical e tem até uma vaga na banda, parada há meses, por falta de vocalista. Quer me ajudar a reerguer a banda.
 Iza fica triste, pois não pode aparecer publicamente:
- Amiga, a minha situação tem que ser de anonimato.
Ester rir e grita:
- kkkkkkkkkk que maravilha! Seu nome será Elis New e seu perfil será modificado.
Assim, começa o retorno da banda com o nome Banda News. Toca suas músicas em toda rádio e faz sucesso pelo Brasil. Em um dia de ensaio chega o irmão de Ester, que por motivo de trabalho passava mais tempo em New York, onde ficava a central de sua administração das empresas em países estrangeiros. Foi amor à primeira vista. Moises era um homem muito branco e de família nobre de São Paulo, seu gosto musical mais para clássicos, aceitava a MPB, e quando adentrava no cômodo onde ensaiavam Iza estava à tecla uma música do tempo do Ensino Médio. Foi arrebatadora a emoção que invadiu os corações naquele momento.



4º ATO

Uma grande amizade nasceu entre Moises e Iza, na verdade muito mais que amizade, só revelada em um sarau, realizada em Santos, na cobertura da família, de frente para o mar,  onde Iza brilhava declamando suas poesias. Ao terminar foram para uma varanda, cheia de paz, própria para os sussurros, ali foi declarado amor e aconteceu o primeiro beijo de Iza. O que contrariava a lógica de comportamento de sua geração.
Disse Iza: Moises eu preciso falar-te sobre minha origem.
Moises a interrompe com um beijo e diz:
- Nada mais me interessa, você é o tesouro que procurava. ( e abraça fortemente Iza)

A grande apresentação

Uma carreira vertiginosa em uma escala invejável a Banda New faz sua primeira apresentação em rede nacional pela emissora de TV com maior pico de audiência. Iza acreditava que estava irreconhecível, mas para quem a adorava fanaticamente nunca passaria um detalhe de sua angélica beleza.
Chega do “trabalho” exausto e muito tenso, e sai do costume e liga a TV. Surpreso, não acredita no que vê na tela. Ela Iza é a vocalista da Banda New a tão ovacionada Elis New. Seu olhar se perde em um espaço não existente e nasce um plano terrível...
Era um dia de domingo, uma vida feliz, cheia de amor, um passeio na orla marítima de Santos, a rotina que os justos merecem. Mas se aproxima dois carros pretos, placas manchadas, e quando Iza se encontrava bem distante do grupo admirando o horizonte, ouvi-se o barulho de um freio brusco e pode se vê as portas se abrindo e homens pegando Iza e jogando-a dentro do mesmo. Iza foi sequestrada.
O bandido:
Calada. Não adianta gritar. Perdeu, perdeu!
Iza:
Eu não tenho dinheiro, moço.
Bandido:
Você é a mercadoria preciosa do chefe.

Enquanto Isso Moises acionava seus contatos, para começarem a agir antes do sucesso do seu inimigo. Inimigo esse que logo chegou à conclusão, pois sua irmã Ester lhe contara toda a triste história de Iza.
Ester:
Meu irmão o que você vai fazer?
Moises:
Tenho grandes amigos na Polícia Federal e diante desta informação a terei em meus braços muito breve.
Ester:
Deus nos ajude a salvá-la.

Moises telefona para Leo e diz saber que ele estava por traz daquele sequestro.
Moises:
O Senhor é o Leo?
Leo:
Sim. Quem está falando?
Moises:
Aqui é o salvador de Iza e futuro marido dela.
Leo Indignado:
Qual é a sua meu irmão?
Moises:
Salvar Iza e prender você.
Acreditando ser realmente poderoso responde Leo:
Aqui quem manda sou eu e ela é minha propriedade, eu paguei caro por ela.
Era o que Moises precisava ouvir.

5º ATO

A libertação e o casamento

Uma manhã de quarta-feira, terceiro dia de cativeiro de Iza. Leo já tinha mandado sua esposa embora e marcara um casamento simbólico com Iza, antes da consumação do ato. Era um sonho que ele queria torná-lo real.
Leo:
- José, verifique a segurança. Quero homens armados e treinados por todos os lados, coloque também informantes em toda comunidade.
Enquanto isso o Delegado Federal Sebastião, que era muito experiente naquele assunto, montava uma mega operação.
Delegado:
- Atenção pessoal, todos com o celular pronto. Vou mandar uma mensagem dizendo: Salvação. Os senhores avançarão conforme combinado na contagem de três segundos.
Leo estava a cem metros da casa quando ouviu os primeiros disparos, tentou voltar mais era tarde, estava em pleno combate contra os Federais.
Leo gritava:
- Malditos! Quero a vitória! R$ 10.000,00  por cabeça e para os melhores!
A ação foi relâmpago e antes de esvaziar o pente de sua Taurus calibre 4.5mm foi alvejado por um tiro certeiro.

Um mês depois o amor lavou a história, tirou a mágoa e o ódio, estabeleceu a razão e o equilíbrio. A negra branca, ou a branca negra Iza venceu a discriminação e acabou com a escravidão na favela Vila Cruzeiro, nas proximidades do bairro da Penha. A diferença foi repudiada e o amor voltou a aproximar as pessoas.
Moises olha para Iza e os dois se beijam apaixonadamente.

Música a critério do fechamento da peça.


FIM!
Escrito por: 
Jair de Oliveira Filho
Professor