quarta-feira, 10 de abril de 2013

2.2 LÍNGUA PORTUGUESA (Vocábulos e palavras)






Vocábulos e palavras
1.      Ainda não se encontrou um critério para caracterizar de modo plenamente satisfatório a entidade vocábulo, vale dizer, uma definição que a abarque a um só tempo como unidade sonora, formal, funcional e significativa.
De um ponto de vista didático, podemos, no entanto, dizer que o vocábulo é a menor unidade significativa autônoma da frase, constituída por um ou mais morfemas, associados segundo uma ordem própria da língua. Entendemos por autonomia, no caso, a possibilidade que existe para essas unidades de mudarem de posição no enunciado ou de figurarem num dicionário. Por ordem própria da língua queremos dizer que os morfemas não se combinam de modo arbitrário para formar os vocábulos. Assim, em português, pôde-se formar o vocábulo. Assim, em português, pôde-se formar o vocábulo embarcação, mas çãobarcaem não seria possível.

2.      Servindo-nos de uma distinção terminológica que se tem mostrado útil, dividiremos os vocábulos em dois grupos:
1º) vocábulos dotados de morfema lexical, que serão palavras;
2º) vocábulos desprovidos de tais morfemas, ou seja, constituídos por morfemas gramaticais, que serão vocábulos ou instrumentos gramaticais.

No enunciado de onde partimos, são exemplos dos primeiros trabalho, constante e vence; e, dos segundos, o artigo o e o pronome tudo.

Nem todos os autores distinguem palavra de vocábulo gramatical. Até há bem pouco tempo reservava-se o termo palavra para designar o que acima conceituamos como vocábulo, enquanto o termo vocábulo era usado de preferência para significar o que hoje se denomina vocábulo fonológico, isto é, o vocábulo considerado em sua face sonora (significante).