sexta-feira, 29 de março de 2013

2.0 LÍNGUA PORTUGUESA - Classe, estrutura, formação e significação dos vocábulos




“O trabalho constante vence tudo.”

Partindo deste enunciado, procuraremos mostrar que a unidade de significação que é a frase pode ser subdividida em unidades significativas cada vez mais simples, até um limite além do qual a análise somente nos daria unidades desprovidas de significado, que são sílabas e fonemas.
Frase
O trabalho constante vence tudo

Sintagmas
nominal (1)
1

O   trabalho   constante
2

vence
3

tudo
verbal    (2)
nominal (3)
Vocábulos
O
trabalho
constante
vence
tudo
Unidades mínimas de significação ou morfemas
O
trabalh
o
constant
e
venc
e
tudo

Por agora, somente dois tipos de entidades linguísticas serão objeto de nosso interesse: as unidades  mínimas de significação, também conhecidas por morfemas, e os vocábulos.

Entendemos por sintagma uma unidade linguística dotada de significação, geralmente constituída de duas outras unidades significativas menores, sendo uma de ocorrência obrigatória (determinado) e a outra, facultativa (determinante). Nesse sentido, a maior parte dos vocábulos podem ser considerados sintagmas. Não é raro encontrar tais entidades definidas como sintagmas elementares, nos quais o radical opera como determinado e os demais elementos como determinantes. Da mesma maneira, uma frase é um sintagma o sujeito é o determinado e o predicado, o determinante. Vê-se então, que o sintagma é uma unidade de complexidade variável. O que, na frase acima, distinguimos como sintagma nominal pode sofrer a seguinte análise sintagmática.



Grupo
substantival
Grupo
adjetival
Sintagma nominal sujeito
Determinado
O trabalho

Determinante

constante
Determinado
trabalho

Determinante
O

Sintagmas vocabulares
Determinado
trabalh
constant
Determinante
o
e


quinta-feira, 28 de março de 2013

Coração que uni





Não fala
Escute apenas
A vida é simples
E viver é livre.

Não opines
Para não te prenderes
Os laços que se apertam
Com bocas que matam.

A boca sábia canta
Uma melodia santa;
Uni os inimigos
E lhes dá abrigo.

Então o coração
Unir-se-á com a razão
E seus sentimentos
Serão sem o sofrimento.

quinta-feira, 14 de março de 2013

O gozo que Deus planejou








Sejas tu como Deus planejou,
Um cansaço profundo brotou,
Ao ver a verdade do seu Criador.
Como ser um verdadeiro adorador?

Duas leis me deram uma é milenar
A outra é, a outra, muito vulgar.
As linhas não são linhas da vida
Seus propósitos é projetar feridas.

O conhecimento traz a libertação
Mas a invenção nos coloca na prisão.
A teologia dá crescimento do espírito
As teses trazem muitos constrangimentos.

Amar o falar sobre vida com retidão
Amanhece a justiça com libertação.
A dúvida que impedia ficará morta
Envergonham-se assim os idólatras.

Homem ou mulher viva sua natureza,
Que seja tudo em si cheio de gentileza.
O olhar, o apertar de mãos e o falar
No ritmo carinhoso, o jeito de amar.

Feitos para ser o que DEUS assim quer
Deliciosa natureza... homem com mulher.

O caminho torto




O coração vagueia
O caminho torto que semeia.
Fala a alma suspirando
A conquista tem conspirando.

A boca religiosa em fervor
Empurra para a morte o amor.
Adultera fé fala nos palanques
Rouba a glória do Onipotente.

Vagueia coração impuro.
Pensas tu ser isso seguro?
Não iras tão longe com essa gente
Ó alma irreverente, veja Onipotente! 

segunda-feira, 4 de março de 2013

1.0 LÍNGUA PORTUGUESA - ORTOGRAFIA





Letra e alfabeto
O conjunto ordenado das letras de que nos servimos para transcrever os sons da linguagem falada denominamos alfabeto.
O alfabeto da língua portuguesa consta fundamentalmente das seguintes letras:
a – b – c – d – e – f – g – h – i – j – k – l – m – n – o – p – q – r – s – t – u – v – w – x – y – z  
Emprego do” h”
O “h” não corresponde a nenhum som. Usa-se apenas:
a)                  no início de certas palavras, que possuíam de origem:
haver       helena        hoje

b)                 no fim de algumas interjeições:
ah!         oh!            uh!

c)                  no interior de palavras compostas, em que o segundo elemento, iniciado por h, se une ao primeiro por meio de hífen:
Anti-higiênico         pré-histórico           super-homem

d)                 nos dígrafos ch, lh e nh:
chave         talho       banho

Notações léxicas
Além das letras do alfabeto, servimo-nos, na língua escrita, de um certo  número de sinais auxiliares, destinados a indicar a pronúncia exata da palavra. Estes sinais acessórios da escrita, chamados notações léxicas, são os seguintes:

O acento
O acento pode ser agudo (´), grave (`) e circunflexo (^).

1.                  O acento agudo é empregado para assinalar:

a)                  as vogais tônicas a, i e u:


Durável
Pássaro


Sofrível
místico


Baú
Açúcar
lúgubre

b)                 as vogais tônicas abertas e e o:


Quiséssemos
exército


Heroico
hóspede

2.                  O acento grave é empregado para indicar a crase da preposição a com a forma feminina do artigo (a, as) e com os pronomes demonstrativos a(s), aquele(s), aquela(s), aquilo:


à
àquele(s)
àquilo


às
àquela(s)


3.                  O acento circunflexo é empregado para indicar o timbre fechado das vogais tônicas e e o, bem como o do a seguido de m ou n:


mês
vêem
trêmulo


avô
pôs
abdômen


câmara
lâmpada
hispânico
O til
O til (~) emprega-se sobre o a e o o para indicar a nasalidade dessas vogais:


irmã
mãe
pão


caixões
põe
sermões
O trema
O TREMA (¨) foi totalmente eliminado das palavras portuguesas. No Português de Portugal, o sinal já havia sido abolido, mantendo-se apenas no Brasil.
O trema era colocado sobre a letra U dos grupos GUE, GUI, QUE, QUI para indicar que essa letra deveria ser pronunciada. Mesmo com o seu desaparecimento, devemos manter a pronúncia do U.
O TREMA CAI
A PRONÚNCIA PERMANECE

O apóstrofo
O apóstrofo (‘) serve para assinalar a supressão de fonema – geralmente a de uma vogal  - no verso, em certas pronúncias populares ou em palavra de:


pau-d’alho
pau-d’arco
galinha-d’água


c’roa
esp’rança
‘tá bem!
A cedilha
A cedilha (,) coloca-se debaixo do c, antes de a, o e u, para representar a fricativa linguodental surda [s]:


caçar
castiço
jararacuçu


praça
cresço
muçulmano


domingo, 3 de março de 2013

ENSAIO (A verdade na verdade ...)




A verdade na verdade onde está?

Toda pessoa tem medo da verdade. Aquela verdade que está escondida no profundo de sua alma e para mim a descoberta desta verdade interior foi realizada no Jardim do Eden  Um lugar especial, feito por Deus para o homem viver o amor sem culpa. Mas, no meio do caminho tinha uma metáfora, tinha uma metáfora no meio do caminho: “ a árvore proibida”, chamada de árvore da ciência do bem e do mal.
A mulher como sempre, mais corajosa, sai na frente dessa corrida do prazer, amarga, mas docemente saborosa, apetitosa aos ouvidos e inebriantes aos olhos, dominando os ouvidos e alterando a pulsação do coração. Comeu e se excitou com a descoberta e levou malandramente ao seu marido suas fantasias recém-descobertas, que poderia trazer aquela relação amorosa muito mais prazer, mas com visão reprodutiva.

A culpa nasce e se enraíza na alma do homem. Mas onde está a verdade? Jesus Cristo uma vez disse: “ se o homem olhar uma mulher e em seu coração a desejares já cometeu adultério.” Podemos então afirmar que todo homem é adultero. Exceto aquele que não gosta de mulher, entretanto este cidadão cairá na tentação de desejar o indivíduo do mesmo sexo, do que o chamaremos? Haja vista que também a Escritura sagrada classifica em seus livros o sexo praticado homem com homem e mulher com mulher, bem como o sexo feito com animais, situação de pecado e condena ao inferno juntamente com o que pratica adultério ou fornicação.

Jesus Cristo disse que só em pensar... Então a verdade é terrível! Quem será que só pensa em coisas edificantes, saudáveis e santas? A  verdade está dentro do consciente, inconsciente e subconsciente buscando se esconder e assim mudando de lugar a cada perigo de ser descoberta. Qual o lugar mais profundo dos oceanos? Lá onde ninguém consegue chegar e a luz não chega também é o melhor lugar para a nossa terrível verdade se esconder.

Todo sacerdote, casado ou não, pensa em loucas fantasias sexuais. Alguns ainda no século XXI praticam algum tipo de flagelo, buscando com a dor frear suas “verdades ocultas”.
Imagine amigo leitor: um rosto lindo, cabelos macios, cheirosos, lábios finos (ou grossos) sempre ligeiramente entre abertos sensualmente... Um olhar suave, meigo, a brilhar em um tom esverdeado, às vezes azulado e às vezes castanho claríssimos, profundo e convidativo. Um pescoço bem desenhado e no seu comprimento adequado,  pede carícias e muitos beijos; seus seios formosos se movem em respiração ofegante. A cintura fina, quadris proporcionais dão inicio a região pélvica e começa o desenho das cochas roliças e voluptuosas, nessa continuação é impossível não perceber a região glútea exuberantemente formosa, coberta em um vestido de seda, modelo de verão, decotado e muito transparente... Mostra-nos a silhueta sensual e determinante convidativa. Como fugir da beleza feminina, quando se trata do escultor  que é  ultra vitalício na honra e na capacidade de esculpir, não existindo quem o supere. Uma vez que a primeira escultura feita por Ele foi dada ao sortudo Adão.

Por isso Jesus Cristo disse: “conhecereis a verdade e a verdade vos libertará.” A poesia está ai expressa. Enxergá-la não é uma bengala e sim um socorro, um encontro com o Mestre em almas, que recondiciona comportamentos. Deve então: Gritar: “sou frágil, sou pequeno, desejo ardentemente agradar meus impulsos animais.” Pedir: “ ajuda-me a caminhar, a buscar a perfeição; mas não me deixe sem forças para me deleitar com a mulher da minha mocidade, com aquela que Tu me deste e abençoaste, até o último dia de minha vida.” O prazer tem as suas faces: libido, fome e sede, é maravilhoso e uma dádiva que deve ser agradecido todos os dias da nossa vida. Se o sol pudesse, com todo o seu brilho e sua importância,  pediria para ficar em nosso lugar e até os anjos, desconfio, devem ficar com água na boca.

Viva o amor! Viva o sexo sem culpa! Viva a virilidade e a maravilhosa potência! Viva o prazer! Agora agradeça a Deus por ter dado uma mulher, uma casa, uma cama e filhos adoráveis.