quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Espíritos Inertes






Parados diante do momento da catástrofe
Vivem assistindo a este filme proibido,
Onde a grande maioria não vê que apodrece
Com as chagas da alma que lhes aumentam a libido.

Surge o sexo feroz, sádico e masoquista
Com cenas de orgasmos cinematográficos
Este é o prazer que destrói até o  psicanalista.
Não, não há remédio para evolução do paradoxo.

O prazer louco em busca do inimaginável
Ignora na humanidade o amor e cega o  seu espírito.
A catástrofe apresenta um perfil muito  variável
Dentro de uma sociedade cheia  de sexos violentos.

Quem poderia imaginar o amor na catástrofe?
O produto mais desejado do amor é vituperado
Na busca sadomasoquista  que esta zona limítrofe,
Que ofusca o amor e exalta o corpo humilhado.

Como podem ficar parados diante do leito
Ornamentado de seda e linho e pétalas espalhadas
Com seus perfumes pela casa a começar do quarto
O sentir as marcas do prazer ecoando até sacada.

Para que o mundo acorde para o amor verdadeiro
E veja ali no leito de amor o começo de todas as catástrofes.
Então perceba que o beijo aquecedor não é só o primeiro;
Ele tem que ser sempre e levar todos a vencerem os limites.