quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

GRAMÁTICA DA LÍNGUA PORTUGUESA Função sintática dos pronomes relativos



Os pronomes relativos assumem um duplo papel no período com representarem  um determinado antecedente e servirem de elo subordinante da oração que iniciam. Por isso, ao contrário das conjunções, que são meros conectivos, e não exercem nenhuma função interna nas orações por elas introduzidas, estes pronomes desempenham sempre um função sintática nas orações a que pertencem. Podem ser:

a)      sujeito:
“Vejo mares tranquilos, que repousam,
Atrás dos olhos das meninas sérias.”
                          (M. Bandeira, PP, I, 430.)
[que = sujeito de repousam]

b)      Objeto direto:
“No meu coração secaram
As lágrimas que sofri.”
                        (F. Pessoa, OP, 546.)

[que = objeto direto de sofri]

c)       Objeto indireto:
“__ O remédio de que eu preciso é o da religião.”
                                                       (J. de Alencar, OC, I, 456.)

[de que = objeto indireto de que preciso.]

d)      Predicativo:
“reduze-me ao pó que fui!”
                                      (C. Meireles, OP, 415.)

[que = predicativo do sujeito eu.]

NOTA: a fim de que entendam fiz um extrato de um texto do site http://www.brasilescola.com vejam a explicação clara da SINTAXE. Desta forma procedemos em várias situações da língua portuguesa, facilitando a compreensão do texto e do significado das palavras.

A Sintaxe é a parte que estuda a função que as palavras desempenham dentro da oração.
Agora, referimo-nos a sujeito, adjunto adverbial, objeto direto e indireto, complemento nominal, aposto, vocativo, predicado, entre outros.
Para melhor entendermos o que foi dito, tomemos como exemplo as seguintes orações:

A manhã está ensolarada 
Agora faremos a análise morfológica de todos os seus termos:

A - artigo
Manhã - substantivo
Está - verbo (estar)
Ensolarada - adjetivo