DICIONÁRIO AULETE

iDcionário Aulete

domingo, 30 de dezembro de 2012

Venha 2013!




Acabou um ano,
Acabou um tempo,
Acabaram-se algumas coisas,
Mas não acabou a esperança.
A economia de 2012 foi ruim
Trouxe tristezas e sentimento do fim
Com violências de todo tipo,
Mas a alma ferida nada alcança.
Com o coração dolorido digo adeus
Não para a vida e sim para 2012
Que por pouco  não alcançou minha alma,
Mas quem tem fé ao mar o barco lança.
Meu barco é a minha vida e o mar o mundo
Feroz e traiçoeiro busca acabar com o aventureiro,
Não é assim classificado quem tem objetivo.
Mas da vida ganham todos os guerreiros bem comandados.
Então como excelentes soldados ao comando de Deus
E Daquele que por nós morreu em mais uma jornada
Seremos vencedores.
Que venha o tempo, que venha “os inimigos”,
Venha o que vier estamos de pé e com fé.
A TODOS UM FELIZ ANO NOVO. 

sábado, 29 de dezembro de 2012

4.1 LÍNGUA PORTUGUESA (Regência Verbal)




Regência Verbal
PREFERIR
No sentido de “achar melhor”, “querer antes” é TRANSITIVO DIRETO e INDIRETO e exige a preposição “A”:
Prefiro um inimigo declarado a um falso amigo.
                            OD
           OI

“Prefere ser escravo a combater.”
Mário Barreto

A uma verdade antiga preferem, sem hesitar, uma asneira contemporânea.”
João Ribeiro

Observações:
1.      Este verbo não se constroi com as expressões “QUE” ou “DO QUE”:
Errado: Prefiro trabalhar DO QUE passar fome.
Certo: Prefiro trabalhar A passar fome.

2.      Este verbo repele expressões como MAIS, MUITO MAIS, MIL VEZES, ANTES:
Prefiro mais Medicina a Direito.

3.      Note como o acento indicativo da crase pode modificar o sentido:

Ele prefere as loiras às morenas.
                           OD
           OI

Ele prefere às loiras as morenas.
                            OI
           OD

No primeiro caso, “as loiras” são preferidas; no segundo, são “as morenas”.

domingo, 23 de dezembro de 2012

a MERRY CHRISTMAS, Christmas STRICTLY the Lord Jesus!





Approaching Christmas, the heart beats differently, chest tightness announces sadness. I know that I will not have Christmas full of dreams of my childhood. I know I will not find my parents, and even if I wanted, I will not find some of my brothers. I know that I will not have a sincere hug as it was that beautiful season, considering I'm also so far and I'm dead. Not for lack of love in my soul. But I know the distance hinders the magic of love. Love cools and dies, yet we love the certainty of winning the lack of attention, affection. The plant is not watered and allowed to live in the sun and then dies with groans of torture of choice. In this Christmas will continue to seek the difference, the dream the refreshing balm of the soul even for a moment.
The pain ripping my love is deep and still; looking at the streets I see parents cry without tears, face pain and the door to hate. The ear ache and the brain is compressed without support more melodies and discourses of a society built for "Stronger," whites and blacks by whites who became successful art or some mastery in particular.
Starts another party, another year, many homeless, without food, without a blanket, without affection, without relatives, without this. The eyes of your children, your children, no longer shine, no hope and echoes the question: WHY? The pain and smothers my soul cry for me, the deepest being and where I can respond with the truth clear. I can not help them! I am insufficient in all shapes, AM NOT THE SANTA CLAUS!
I would sign a paper, a document, a law that establish social equality for a Brazil where they were all treated as brothers, regardless of being Christian, for having the same GOD as CREATOR, despite several colors of leather, sex differences Brazilians or foreigners would earn the TRUE CHRISTMAS CHRISTMAS CHRISTMAS EVERY DAY OF JESUS ​​CHRIST, love, peace, joy, and place the table for everyone in harmony.

            With all the love that overcomes all pain, with altruism and value.
            To all my readers: a MERRY CHRISTMAS, Christmas STRICTLY the Lord Jesus!

FELIZ NATAL: "o Natal RIGOROSAMENTE do Senhor Jesus!"



           
         Aproxima-se o Natal, o coração bate diferente, um aperto no peito anuncia a tristeza. Já sei que não vou ter o natal cheio de sonhos da minha infância. Sei que não vou encontrar meus pais e, ainda que quisesse, não vou encontrar alguns de meus irmãos. Sei que não vou ter um abraço sincero como era naquela linda época, haja vista que eu também estou tão distante e estou como morto. Não por inexistência do amor em minha alma. Mas sei que o distanciar  atrapalha a magia do amor. O amor esfria e morre, ainda assim nos amamos na certeza de vencer a falta de atenção, de carinho. A planta não regada e deixada ao sol vive e depois morre com gemidos da tortura da escolha. Nesse natal continuarei a buscar a diferença, o tão sonhado balsamo o refrigério da alma mesmo que seja por uns momentos.

        A dor que rasga a minha ama é continua e profunda; ao olhar para as ruas  vejo pais chorarem sem lágrimas, semblante de dor e a porta para o ódio. Os ouvidos doem e o cérebro se comprime sem suportar mais as melodias e os discursos de uma sociedade construída para os “mais fortes”, brancos e negros que se tornaram brancos pelo sucesso da arte ou alguma maestria em particular.

Começa mais uma festa, mais um ano, muitos sem teto, sem alimento, sem cobertor, sem carinho, sem parente, sem presente. Os olhos de suas crianças, seus filhos, não tem mais brilho, não tem esperança e ecoa a pergunta: POR QUÊ?  A dor sufoca a minha alma e grito para mim, no mais profundo onde eu possa estar e responder com a verdade límpida. Não consigo ajudá-los! Sou insuficiente em todas as formas, NÃO SOU O PAPAI NOEL!

Gostaria de assinar um papel, um documento, uma Lei, que estabelecesse a igualdade social para um Brasil onde todos fossem tratados como irmãos, independentemente de ser Cristão, por ter como CRIADOR o mesmo DEUS, apesar de várias cores de peles, de diferenças sexuais, brasileiros ou estrangeiros ganhariam o VERDADEIRO NATAL o NATAL DE TODOS OS DIAS o NATAL DE JESUS CRISTO; amor, paz, alegria e lugar a mesa para todos harmoniosamente.
       
            Com todo o  amor, que supera toda a dor, com altruísmo e com valor.
            A todos meus leitores: um FELIZ NATAL, o Natal RIGOROSAMENTE do Senhor Jesus!                 

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

4.0 LÍNGUA PORTUGUESA (Regência Verbal)




Regência Verbal
PRÉ-REQUISITOS
No estudo da regência verbal, cumpre não esquecer os seguintes fatos:
1.       Os verbos transitivos diretos (VTD) normalmente não pedem preposição:
Vi
o menino
no parque.
VTD
OD

Mas isso pode ocorrer:
Eu
amo
a Deus.

VTD
OD (PREPOSICIONADO)

2.       Os pronomes oblíquos O, A, OS, AS são os “representantes oficiais” do objeto direto:
Eu amo
meu trabalho


OD
Eu
o
amo.

OD
////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
Cumprimentarei
as jovens.


OD
Cumprimentarei
- as.


OD

3.       Os verbos transitivos indiretos (VTI) pedem preposição:
Obedeço
Ao regulamento.
VT
                                           OI
Eu gosto
De    você
           VTI
                  OI

4.       Os verbos transitivos indiretos aparecerão sem preposição se o objeto for um pronome oblíquo. E não esqueça: LHE e LHES são as “marcas registradas” do objeto indireto:
Obedece
A teu superior.

                                           OI
Obedeceu-lhe
                  OI


Não pagou
Ao médico.

                                           OI
 Não LHE pagou.
                  OI


5.       Os pronomes oblíquos ME, TE, SE, NOS, VOS, dependendo do verbo, podem exercer a função de objeto direto ou de objeto indireto:
Tu não ME
amas.
                     OD
   VTD                                     
Tu não ME
obedeces
                     OI
VTI

Admiro-TE
muito.
       VTD         OD

Cedo-TE(= a ti)
A vez
    VTD       OI


6.       Não se deve dar complemento comum a termos de regência diferente.
É errado  :     Entrei e saí da sala.
É certo     :     Entrei na sala e dela saí.
(ENTRAR pede a preposição EM e SAIR, a preposição DE.)

7.       Há orações que são precedidas de preposição sempre que o verbo que as constitui assim o exigir:
Gosto DE festas.
Eis as festas DE que gosto.

Assisti Ao início da missa.
A missa, A cujo início assisti, acabou tarde.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Guerra Urbana


Perdidos no meio do caus.

O governo não quer ver o que fez
Ou faz com este país, assim tão feliz...
Não sei se foi droga ou coisas assim...
O tipo que faz a dor sumir e ou dormir...
O barulho é grande no meio das ruas
Ouço tiros e muitos gritos, por fim gemidos...
Alguém foi atingido mortalmente por um meliante; 
Será um bandido ou um policial valente?
Talvez um  policial cego por muitas leituras
Juntos pegaram a viatura e atiraram as escuras.
A leitura de um texto e suas interpretações
Dá-nos uma lição, foi o policial que entendeu punição.
Naquela viatura pelas ruas escuras ele fuma...
A fumaça tem um cheiro que embaça a ideia das raças,
Aquele" passa tempo" dar o poder e a postura.
Não há fraqueza, não tem indecisão e nem “vacilão”!
Assim a sociedade se mistura dentro da viatura.
A justiça tem dois lados o da lei e o legado
Deixado por uma elite governadora e milionária.
Aquela noite foi pior: ônibus queimados e inocentes mortos,
Todos queimados por estar protegidos por policiais.
O dia passa e as dores aumentam, é a guerra urbana amigo!
“Motos” passam atirando e jovens e mulheres morrendo...
Aquelas "balas" tinham nomes e direções em uma mesa de amigos.
Os criminosos cumpriram sua lista; mas qual o lado da justiça?
A luta é dura amigo! A sua cela tem que está preparada...
Sua pequena sala de luzes apagadas e uma TV ligada.
Vivi a história de um vizinho amigo, que quis um refrigerante,
Desceu as escadas ofegante e atemorizado chegou ao bar
E antes de abrir a boca para falar, os tiros fizeram tudo acabar.
É amigo, estamos em guerra aqui na cidade e em todo Estado.
As minhas esperanças estão nos meus livros que me falam de Deus
E se tem uma única coisa que sei é que o corpo da "bala" é freguês. 
Mas a minha ALMA volta para o dono dela, Deus que a TUDO fez.




1.6 LÍNGUA PORTUGUESA - ORTOGRAFIA (acentuação gráfica)




OUTRAS SITUAÇÕES:
VIR, TER E COMPOSTOS
Eu tenho.............................................................Eu mantenho
Tu tens................................................................Tu manténs (com acento agudo)
Ele tem................................................................Ele mantém (com acento agudo)
Nós temos...........................................................Nós mantemos
Vós tendes...........................................................Vós mantendes
Eles têm (com acento).........................................Eles mantêm (com acento circunflexo)
Eu venho..............................................................Eu intervenho
Tu vens.................................................................Tu intervéns (com acento agudo)
Ele vem.................................................................Ele intervém (com acento agudo)
Nós vimos.............................................................Nós intervimos
Vós vindes.............................................................Vós intervindes
Eles vêm (com acento)..........................................Eles intervêm (com acento circunflexo)


Antes
Agora
péla (substantivo e verbo)
pela (substantivo, verbo e contração de per + a)
pêlo (substantivo)
pelo (substantivo, verbo e contração de per + o)
pélo (verbo)
pelo (verbo)
pára (verbo)
para (verbo)
pêra (substantivo)
pera (substantivo)
péra (substantivo)
pera (substantivo)
pólo (substantivo)
polo (substantivo)
pôlo (substantivo)
polo (substantivo)

Exceção:
Permanece ainda o acento diferencial no verbo “poder” (3ª pessoa do Pretérito Perfeito do Indicativo – “pôde”) e no verbo “pôr” para diferenciar da preposição “por”.


De acordo com o DECRETO Nº 6.583, de 29 de setembro de 2008 que promulga o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, assinado em Lisboa, em 16 de dezembro de 1990.
“Prescindi-se, quer do acento agudo, quer do circunflexo para distinguir palavras paroxítonas que, tendo respectivamente vogal tónica/tônica aberta ou fechada, são homógrafas de palavras proclíticas. Assim, deixam de se distinguir pelo acento gráfico: para (á), flexão de parar, e para,  preposição; pela(s) (é), substantivo e flexão de pelar, e pela(s), combinação de per e la(s); pelo (é), flexão de pelar, pelo(s) (ê), substantivo ou combinação de per e lo(s); polo(s) (ó), substantivo, e polo(s) combinação antiga e popular de por e ló(s); etc.”

 “Prescindi-se de acento gráfico para distinguir palavras oxítonas homógrafas, mas heterofónicas/heterofônicas do tipo de cor (ô), substantivo, e cor (ó), elemento da locução de cor, colher (ê), verbo, e colher (é), substantivo. Excetuando-se a forma verbal pôr, para a distinguir da preposição por.”
“Assinalam-se com acento circunflexo:
Obrigatoriamente, pôde (3ª pessoa do singular do pretérito perfeito do indicativo) que se distingue da correspondente forma do presente do indicativo (pode).
Facultativamente, demos 1ª pessoa do plural do presente do conjuntivo), para se distinguir da correspondente forma do pretérito perfeito do indicativo (demos): fôrma (substantivo), distinta de forma (substantivo; 3ª pessoa do singular do presente do indicativo ou 2ª pessoa do singular do imperativo do verbo formar)”
“É facultativo assinalar com acento agudo as formas verbais de pretérito perfeito do indicativo, do tipo amámos, louvámos, para as distinguir das correspondentes formas do presente do indicativo (amamos, louvamos), já que o timbre da vogal tónica/tônica é aberto naquele caso em certas variantes do português.”
O hífen não tira a autonomia da palavra, para efeitos de acentuação gráfica. As palavras  primitivas continuam tendo acento quando unidas a outras através do hífen.
Exemplos:
Água-de-colônia, político-econômico, além-túmulo.
De acordo com o DECRETO Nº 6.583, de 29 de setembro de 2008 que promulga o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, assinado em Lisboa, em 16 de dezembro de 1990.
O trema, sinal de diérese, é inteiramente suprimido em palavras portuguesas ou aportuguesadas. Nem sequer se emprega na poesia, mesmo que haja separação de duas vogais que normalmente formam ditongo: saudade, e não saudade, ainda que tetrassílabo; saudar, e não saüdar, ainda que trissílabo; etc. Em virtude desta supressão, abstrai-se de sinal especial, quer para distinguir, em sílaba átona, um i ou um u de uma vogal da sílaba anterior, quer para distinguir, também em sílaba átona, um i ou um u de um ditongo precedente, quer para distinguir, em sílaba  tónica/tônica ou átona, o u de gu ou de qu de um e ou i seguintes: arruinar, constituiria, depoimento, esmiuçar, faiscar, faulhar, oleicutura, paraibano, reunião; abaiucado, auiqui, caiuá, cauixi, piauiense; aguentar, anguiforme, arguir, bilíngui ou (bilíngue), lingueta, linguista, linguístico; cinquenta, equestre, frequentar, tranquilo, ubiquidade.
Observação: Conserva-se, no entanto, o trema, de acordo com a Base 1,3º, em palavras derivadas de nomes próprios estrangeiros: hübneriano, de Hübner, mülleriano, de Müller, etc.”

ATENÇÃO!
Vocábulos paroxítonos terminados em EM ou ENS não levam acento: item, itens, jovem, jovens, abdomens, germens, hifens.

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Redescobrindo o caminho




Fale com o seu espelho
E veja quem está ouvindo:
São as expressões faciais
Que estão me conduzindo,
Para um sentimento desconhecido
Sem ao menos saber onde estar essa dor.
A dor que nasceu da incerteza
Da existência do eu inconstante
Por está cativo do pensamento e da natureza,
Que foi fundada pela classificação da mente,
Que afirma ser gente por ter pensamento.
Não posso afirmar ser verdadeiro aquele reflexo,
Pois estou mentindo para mim involuntariamente.
Acredito nas queixas e nas expressões do espelho,
Assim ouço a minha voz perguntando...
Dou a resposta com toda sinceridade
E me ponho em prova sobre a verdade.
Então grito e me esbofeteio por está argumentando,
Tirando assim a certeza da real natureza
E nesta briga me desperto deste pesadelo,
Suado e tremulo muitíssimo apavorado!
Onde está a minha paz?
Olhei para um barco indo para o mar
A verdade é que ele vai...
E a mentira é afirmar que ele vai voltar.
A incerteza é uma doença sem cura
E isso me leva a buscar uma caverna pura,
Para não ver o ser  humano que talvez eu seja.
Auto me medico e aplico carinho como remédio
Não quero falar comigo; sou quem me enganou.
Quero conquistar a paz para o meu império.
Quero sair da caverna sem medo dos espelhos.
Quero calar a voz das dúvidas atroz.
Quero falar e viver em um só corpo.
Vou rasgar as cortinas do teatro que criei
E ir para o meio da plateia e aplaudir o palco vazio.
Chega de monólogo, chega de interpretação.
Viva amigo meu! Mas, conforme o seu coração.

domingo, 2 de dezembro de 2012

Artigo (O infinito amor de Deus)




“Deus amou o mundo de TAL MANEIRA que deu o seu único filho, para morrer em nosso lugar.” Expressão encontrada na Bíblia, no livro de João capítulo 3, versículo 16, cuja mensagem principal é falar do grande amor de Deus para com a humanidade perdida em seus pecados. Como pode homem se livrar de suas culpas?
O que é culpa? Resposta escolhida foi da http://pt.wikipedia.org: Culpa se refere à responsabilidade dada à pessoa por um ato que provocou prejuízo material, moral ou espiritual a si mesma ou a outrem. O processo de identificação e atribuição de culpa pode se dar no plano subjetivo, intersubjetivo e objetivo.
No sentido subjetivo, a culpa é um sentimento que se apresenta à consciência quando o sujeito avalia seus atos de forma negativa, sentindo-se responsável por falhas, erros e imperfeições. O processo pelo qual se dá essa avaliação é estudado pela Ética e pela Psicologia.
No sentido objetivo, ou intersubjetivo, a culpa é um atributo que um grupo aplica a um indivíduo, ao avaliar os seus atos, quando esses atos resultaram em prejuízo a outros ou a todos. O processo pelo qual se atribui a culpa a um indivíduo é discutido pela Ética, pela Sociologia e pelo Direito.
Um mal que entra na alma e a corrói provocando várias perturbações: depressão, pânico, pressão arterial, descontrole do sistema endócrino e câncer. Todo corpo fica sem orientação do sistema nervoso central, o sentimento completamente abalado e dia após dia agressivo. Idas constantes aos médicos não são capazes de resolver esse problema, pois está localizado onde remédio algum pode resolver.
A preocupação de Deus com a humanidade o levou a preparar um projeto de salvação, livrando o homem dele mesmo, uma vez que o mesmo é incapaz de se livrar deste sentimento de culpa. Em um gesto de amor, de entendimento inacessível, entregou o seu único filho para morrer em nosso lugar, levando com ele todas as nossas enfermidades. Mas ao terceiro dia Ele ressuscitou marcando assim a salvação de todo aquele que nele crer.
O Senhor Jesus Cristo é o filho único de Deus morto em morte de cruz, em forma de maldição, nos livrando da condenação do pecado e da morte. Na expressão encontrada na Bíblia, no livro de João capítulo 14, versículo 27,  O Senhor Jesus disse: deixo-vos a paz, a minha paz vos dou: não vo-la dou como o mundo a dá. Assim deixa claro o remédio para nossas almas: a paz verdadeira; essa paz não é passageira ela entra na nossa alma e a contagia, trazendo segurança, certeza de um futuro melhor, a fé.