quinta-feira, 8 de novembro de 2012

O nobre protetor da vida e do amor



Não há vida para um nobre
Se não confessar a si sua ferida,
Se não falar aos outro com igualdade
E respeitar as cãs marcada pela idade.

Na verdade a vida e a nobreza vivem

Ligadas e entrelaçadas com vaidade
A vaidade que conduz a vida saudável
Livre do abismo da derrota e do impossível.

O nobre não abaixa sua espada na luta

E nada pode fazê-lo desistir da justiça.
A vida é pura e verdadeira a quem  deseja,
Merecido o seu prazer para quem persistir

Nos códigos da vida pré-estabelecida,

No início de tudo, o homem era nobre.
As razões exaltam o amor e a vida
E no coração guarda a mulher prometida.

A justiça se faz no amor e por amor

Seja o ágape ou o erotismo tem a razão,
Tem na dor da pureza o perfume da criação.
A vida é louvada pelo nobre e o seu valor.