segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Transformação do vil




Andando sozinho na escuridão
Buscava alegria, buscava a paz.
Tinha muitos amigos, porém a solidão
Num canto, em uma mesa de bar.
Ouvindo aquelas musicas a tocar
Todas melancólicas, tristes e só isso é que traz.
No auge da noite, dopado e sem parar de beber
Transforma-se em poeta e em um filosofo até;
A performance de um  Dançarino, centro da atenção.
Assim através do álcool busca tudo esquecer.
Aquela tristeza que corrói a alma, é isso que dói!
Uma paixão de uma mulher proibida
Um amor ou paixão antiga não era casada, nem amiga.
Uma lágrima que sai muito tímida, ela virou amiga.
Os anos passam, é agora o consagrado lobo do mar,
Mas as filosofias não param quer saber o porquê.
Crê em Deus, mais onde está Deus?
Os conceitos religiosos doem na alma.
Muitas perguntas muitas histórias.
Vários discursos, vários ensinos.
Mas a alma sedenta quer a verdadeira chama,
Da filosofia das cervejas e caipirinha o caminho
Partindo daqueles que já estiveram com o “Mestre”.
Mas por causa do falso profeta bebem sem esperança;
Aqueles homens “desviados” apresentaram a verdade!
Ao som de uma música melancólica choravam a lembrança:
Da pregação, do coral, do conjunto e das festas ao Salvador
E no barulho e na força dessa onda entende o instinto
Ser a sua fez de sair da lama e da falsa fama.
Percebe a lembrança das lindas mulheres e os prazeres.
Dos bailes e das bebidas com o fator da desinibição,
Agora acorda a filosofia cristã e a luz destrói a escuridão
Nasce a liberdade na luz da poesia e vai-se a solidão
Para que agora se tenha novas canções, um hino ao salvador.
A luz, a luz mencionada no início é Jesus o Deus Criador.