domingo, 1 de julho de 2012

GRAMÁTICA APLICADA - PRONOMES



ATENÇÃO

          Jamais se pospõe pronome átono a particípio. É comum, entretanto, na linguagem falada ou escrita de brasileiros, o uso do pronome átono proclítico ao verbo principal (gerúndio, infinitivo ou particípio):
Ele tinha se esquecido do meu nome.

Elas haviam se corrompido.
O preso tinha se libertado das correntes.

“A conversa na mesa teria lhe dado suficiente prestígio para isso?”(Jorge Amado)

“Mas agora já sabemos nos defender.” (Guimarães Rosa)

“Não posso me confessar autor dessas barbaridades.” (Carlos Drummond)

“Você está me machucando.” (Fernando Sabino)

  • Empregam-se as formas Eu e Tu depois das preposições acidentais afora, fora, exceto, menos, salvo, etc. Exemplos:


Todos bebiam, exceto eu e tu.
Fora minha mãe e eu, todos receberam críticas.
Todos os professores dançavam, menos eu.

UM POUCO DE POESIA (PRONOMINAIS)

Dê-me cigarro
Diz a gramática
Do professor e do aluno
E do mulato sabido
Mas o bom negro e o bom branco
Da Nação Brasileira
Dizem todos os dias
Deixa disso camarada
Me dá um cigarro.

ANDRADE, Oswald de. Poesias Reunidas. Ed. Gaveta, São Paulo, 1945, p. 79.