terça-feira, 8 de maio de 2012

Redação & Gramática ( Vinícius Telles)





1. A redação (teoria)

As ideias
“- Hoje não estou inspirado...”
“- Não gostei do tema...”
“- Não sei começar a redação...”
“- Na hora deu um branco...”
“- Eu não tenho o dom de escrever...”
(Comentários de alunos após uma prova de Redação)

Perplexidade, angústia, desânimo são as primeiras reações diante da apresentação de qualquer tema sobre o qual tenhamos de redigir. Isso é normal. Vencer o “bloqueio” inicial, que se resume, na maioria das vezes, em causas psicológicas (vergonha, timidez, autocensura, medo) e evitar que sobrevenham o nervosismo e o sentimento de incapacidade são, na verdade, a grande dificuldade de nossos estudantes.
O que fazer? O que não fazer?
Primeiramente, NÃO COMEÇAR DE IMEDIATO A REDAÇÃO. Logo após o tema ser apresentado, alguns minutos (no máximo 10 – é o suficiente!) devem ser reservados para a “tortura”: a procura das ideias. Pensar, meditar, raciocinar, ensimesmar-se, bombardear-se de perguntas é um trabalho que exige esforço e concentração. Não se apavore se as ideias custam a surgir, pois até o nosso poeta maior já passou por essa experiência:
“Gastei uma hora pensando um verso que a pena não quer escrever.
No entanto ele está cá dentro inquieto, vivo.
Ele está cá dentro E não quer sair.”
DRUMMOND DE ANDRADE, Carlos.
Amados visitantes deste Blog, quando diante de buscar o melhor para os meus alunos resolvi comprar este livro, tendo hoje concebido essa útil ideia: transcrever trechos do mesmo e me colocar a disposição para trocar ideias sobre a comunicação escrita ou falada. Creio que juntos iremos acabar com os velhos conceitos sobre o uso da língua nativa. Continuarei o assunto numa nova oportunidade, ou urgentemente se alguém me pedir