segunda-feira, 28 de maio de 2012

A dúvida mata o seguro






A dúvida entrou e o rumo
Perdeu-se na neblina.

O cuidado foi esquecido
E seu significado perdido,
Nas ruas os pedestres andam
Sempre no caminho da canção.

A dúvida entrou e o rumo
Perdeu-se na neblina.

Os carros conduzidos perdidos
Do caminho da vida estão decididos,
Em chegar a algum lugar
Não importa se rápido ou devagar.
Para que se preocupar com a regra
Se todos chegam a Brasília as cegas.

A dúvida entrou e o rumo
Perdeu-se na neblina.

A lei e a ordem; a justiça que enxerga
Tudo em sua volta e escolhe a carga.
O peso da verdade ensinou o Mestre,
O maior dos Mestres, para dar a vida, que nutre
A alma daquele que o evangelho cumpre.

A dúvida entrou e o rumo
Perdeu-se na neblina.

A falta do compromisso abate
A alma daquele que vê o escarlate.
A escuridão traz mais trevas através
Das mãos que criam as leis com os pés.
Para onde ir e ficar seguro e cuidadoso,
Se vejo o ponto de interrogação no idoso?

A dúvida entrou e o rumo
Perdeu-se na neblina
Que pena... Que sina...